» » » Governador apresenta auditoria e diz que situação do Estado é crítica

Governo lança site Diagnóstico e alega que faltou gestão à administração anterior


O governo de Minas divulgou na tarde desta segunda-feira o resultado da auditoria das contas das administrações anteriores no Estado. “A situação é crítica. E não é exagero de linguagem”, afirmou o governador Fernando Pimentel. O secretário de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães, disse que não existe déficit zero, ao contrário do que pregava a gestão tucana. Os dados foram apresentados em coletiva na Cidade Administrativa e podem ser vistos no site "Diagnóstico", lançado pelo governo.

“O objetivo desse diagnóstico não é procurar culpados, nem jogar pedra no passado. Muito menos olhar para trás como forma de administrar. É olhar para trás apenas para corrigir o que tem de ser corrigido e arrumar a casa para começar a fazer um modelo de gestão diferente”, declarou Pimentel.

De acordo com o petista, a atual situação é consequência de uma ausência de uma boa administração. “Faltou gestão em Minas Gerais. Os exemplos são abundantes. Todos os setores da administração mostram essa inefetividade do gerenciamento. O caso da água hoje é notório. No caso das obras, temos quase cinco centenas delas paralisadas”, disse.
O governador ressaltou que precisará que os mineiros entendam as limitações do governo neste momento. “Mas vamos precisar, acima de tudo, do nosso próprio trabalho, do nosso próprio esforço. Vamos ser transparentes e recuperar a capacidade de gerenciamento e planejamento do Estado.”
 
Administração passada
 
Anteriormente, Pimentel já havia acusado o governo anterior, de Alberto Pinto Coelho (PSDB), de deixar o caixa vazio e o orçamento de 2015 com um saldo negativo de R$ 7,1 bilhões. Desta vez, o Secretário de Estado da Fazenda, José Afonso Bicalho, apontou ainda que a dívida do Estado subiu de R$ 52 milhões para R$ 94 milhões nos últimos oito anos.

Outro problema apontado foi o da folha de pagamento, que, conforme Helvécio Magalhães, foi mal gerenciada. “O número [da folha de pagamento] de um contingente importante, o da Polícia Militar, por exemplo, chega fechado à Secretaria de Fazenda todos os meses. Não tem nenhuma gestão sobre isso. Evidentemente temos uma confiança na equipe da Polícia Militar, mas é preciso que essa unificação de procedimentos aconteça. E vai acontecer”, garante.

“Não existe essa coisa do déficit zero. Os dados que são oficiais, de bancos usados por todos, mostram isso claramente. Com uma dívida crescente, explosiva, sem intervenção ao longo dos anos”, completa o secretário de Planejamento e Gestão.

Dentre os números apontados pelo governo, há o de que das 11.265 viaturas da Polícia Militar, 4.562 estão paradas por falta de manutenção. Das escolas estaduais, somente 26% estão em boas condições e 45% não possuem refeitório, conforme os dados.

Deputado da oposição critica governo
O deputado estadual Gustavo Valadares, do PSDB, rebate as críticas de Pimentel e diz que, até agora, nada foi feito pela atual administração. “Eu gostaria de lamentar, pedir desculpas à população de Minas Gerais porque o que o senhor 'Fernando do PT Pimentel da Dilma' faz hoje é dar o maior vexame político que esse Estado já viu. Os demais estados comemoram 100 dias de governo com investimentos nas mais diversas áreas. O que faz o governador? Críticas à gestão passada, sem apresentar uma vírgula de investimento.”

Sobre os problemas no caixa do Estado, Valadares destacou que, na gestão tucana, entre 2003 e 2014, foram diminuídas as despesas com a máquina pública para aumentar os gastos com o cidadão. Ele afirmou também que o discurso de Pimentel é contraditório. 

“Nós tínhamos 17 secretarias ao fim de 2014. Sabe o que fez o senhor governador 'Fernando do PT' na sua gestão? Foi a única coisa que fez ao longo dos seus 100 primeiros dias: aumentar de 17 para 21 as secretarias. Ora, se o Estado se encontra numa situação de total calamidade econômica, era o momento de enxugar a máquina pública. Ele faz o contrário. 
Tem sido incoerente”, ressaltou.

A respeito das centenas viaturas fora das ruas por falta de manutenção, Valadares alega que o governo do PSDB aumentou em 84% o número destes veículos em Minas. Sobre as centenas de obras paradas, ele coloca a culpa no próprio Pimentel e na presidente Dilma Rousseff.

“Das obras, mais de 60% dependem de liberação de empréstimos federais. O que fez a senhora presidenta Dilma Rousseff, com a anuência do Fernando Pimentel? Pediu ao Banco do Brasil que segurasse o empréstimo, que deveria ser depositado no caixa do Estado até agosto do ano passado no valor de R$ 1,1 bilhão. Agora estão chorando, dizendo das dificuldades”, observa Valadares.

O parlamentar afirma que em dezembro do ano passado o governo de Minas havia conseguido, junto à Justiça, que o Banco do Brasil fosse obrigado a depositar a quantia, sob pena de multa diária de R$ 1 milhão.

“Sabe o que fez o governador 'Fernando do PT'? Desistiu dessa ação dizendo que vai ter uma conversa amigável com o Banco do Brasil. Um bilhão e 100 milhões que poderiam ser usados em investimentos no Estado”, critica o deputado, que continuou a alfinetar o governador: “Que ele pare de mimimi, de chororô, e que comece a governar.”

Assessoria de Comunicação com agencias e portais de notícias

Postador Leonardo Moreira

Seja Bem-vindo ao meu blog. Deixe abaixo os seus comentários. Obrigado por sua visita e volte sempre!
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta