» » » Comunidade denunciou precariedade do serviço de saúde na Nordeste

Plano emergencial e PPP para novos centros são apostas da PBH para solucionar o problema nos próximos dois anos

Apontada como um dos principais gargalos da saúde e amplamente discutida em audiência pública no início da semana, a Regional Nordeste voltou à pauta da Comissão de Saúde e Saneamento na tarde desta sexta-feira (29/5). 

Usuários e trabalhadores das unidades de saúde da região denunciaram a falta de estrutura, de materiais e de equipes médicas para atendimento à crescente demanda local. A Prefeitura anunciou que desenvolverá um plano emergencial de recomposição das equipes e ampliação dos espaços, temporariamente, até que se cumpram as obras de reconstrução dos centros de saúde por meio de parceria público-privada (PPP). O edital de licitação está em andamento, e a previsão é de que as unidades estejam conclusas em até dois anos.

Representante do Centro de Saúde Olavo Albino, Aparecida Oliveira destacou que, em razão da construção de milhares de unidades habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) na região, o número de usuários do sistema de saúde cresceu em cerca de 32 mil pessoas. “Os cinco centros de saúde que temos nos bairros do entorno não suportam o aumento da demanda. Precisamos de mais equipes do Programa Saúde da Família e ampliação dos espaços para atendimento”, reivindicou a moradora.

“E onde está essa contrapartida? Por que esses recursos não foram aplicados pela Prefeitura? Queremos saber onde está o dinheiro”, cobrou a conselheira municipal de habitação, Eliete Soares, representante da comunidade do Bairro São Gabriel.

Falta de estrutura
Já com dificuldades para atender os cerca de 15mil usuários cadastrados, o Centro de Saúde Marivanda Baleeiro (Bairro Paulo VI) teve sua demanda ampliada em quase 8mil pessoas, o que tem preocupado e trazido grandes transtornos à comunidade. Falta de espaço para atendimento, ventilação precária e goteiras em períodos de chuva estão entre as dezenas de problemas apontados pela população. A situação havia sido avaliada pelos vereadores da comissão em visita técnica aos dois centros de saúde na última semana (20/5).

As lideranças locais destacaram a necessidade de se ampliar o C.S. Marivanda Baleeiro ou de construir uma nova unidade ali mesmo. “A nova unidade prevista na PPP da saúde não vai resolver o problema do Marivanda. O local é longe dali, no alto do morro. Os moradores do condomínio Parque Real (que reúne mais de 2500 famílias atendidas pelo MCMV) continuarão utilizando o Marivanda”, alertou Edmar Branco, liderança do Bairro Paulo VI.

Plano Emergencial e PPP da saúde
Representante da Secretaria Municipal de Saúde, a gerente de saúde da Regional Nordeste, Maria Cristina Ramos, reconheceu que a situação é grave e anunciou que desenvolverá um plano emergencial de ampliação das equipes do PSF no C.S. Marivanda Baleeiro e no C.S. Olavo Albino. Ainda, devem ser instalados contêiners equipados para atendimento nesses locais e no C.S. Maria Goretti. 

Já para auxiliar no atendimento do C.S. São Gabriel, deve ser alugado um galpão no entorno da unidade. Em relação ao C.S. Vila Maria, a prefeitura explicou que o local não comporta novas equipes, mas fará estudos para buscar soluções temporárias, até que se cumpram as obras de reconstrução dos centros de saúde por meio de parceria público-privada (PPP). As obras, previstas em 2011, são objeto de licitação pública ainda em andamento, com previsão de início no próximo semestre conclusão em até dois anos.

Com informações CMBH

Postador Leonardo Moreira

Seja Bem-vindo ao meu blog. Deixe abaixo os seus comentários. Obrigado por sua visita e volte sempre!
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta