» » » Presença de cobradores e acessibilidade em ônibus serão temas de audiências

Vereador Jair Di Gregório (PP) defende a necessidade da presença constante do cobrador no serviço de transporte coletivo por ônibus durante todo o trajeto


Audiências públicas, visitas técnicas e encaminhamento de ofícios sobre questões ligadas ao sistema de transporte coletivo do município foram aprovados pelos integrantes da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário na reunião ordinária desta quinta-feira (23/2). Problemas localizados que afetam o sistema viário do Bairro Buritis, na Região Oeste da capital, também serão debatidas pelos vereadores e demais partes interessadas, em duas datas diferentes. Pedidos de informação à BHTrans sobre “botão de pânico” e visitação ao COP também receberam votação favorável.

Preocupado com as questões que afetam trabalhadores e usuários do sistema público de transporte no município, o vereador Jair Di Gregório (PP) requereu audiência pública para discutir a necessidade da presença constante do cobrador no serviço de transporte coletivo por ônibus durante todo o trajeto, inclusive nos fins de semana. Ao solicitar a aprovação do requerimento, o parlamentar, que declarou já ter trabalhado como trocador de ônibus, ressaltou a importância desse profissional em aspectos técnicos e no auxílio ao motorista e aos passageiros, garantindo maior segurança nas viagens. O encontro foi agendado para o dia 6 de abril, às 13h30.

Requerida pelo presidente da comissão, vereador Carlos Henrique (PMN), também foi aprovada a realização de visita técnica a pontos iniciais e finais das linhas 8401 (Cachoeirinha-São José), 4103 (Aparecida-Mangabeiras) e 9410 (Sagrada Família-Coração Eucarístico) para constatar a presença ou não de cobradores nos coletivos. Motivada por reclamações recebidas de usuários, que denunciam a ausência desses auxiliares, a atividade será realizada na manhã de domingo, dia 5 de março.

Solicitações à BHTrans
Também assinados por Carlos Henrique, dois requerimentos solicitando o envio de ofícios à BHTrans foram aprovados pelos demais integrantes da comissão. O primeiro requer informações sobre o treinamento e as orientações dadas aos motoristas e cobradores sobre a operação do “botão de pânico” disponível nos coletivos, incluindo cópias do material fornecido. Ao justificar a solicitação, o parlamentar mencionou as dificuldades e riscos envolvidos na utilização do instrumento, abordadas na audiência pública da comissão que debateu o aumento da ocorrência de incêndios criminosos em ônibus da capital e região metropolitana.

Jair Di Gregório apontou que a atual localização do dispositivo, além de estar fora do alcance do auxiliar de bordo, permite que os criminosos percebam e impeçam a tentativa de acionamento por parte do motorista, expondo-o ao risco de represálias. Elvis Côrtes (PSD) também considerou vagas as informações prestadas pela empresa sobre a formação oferecida aos funcionários. Considerando o aumento dos ataques e também de assaltos aos coletivos e lembrando que “há vidas em jogo”, os parlamentares reivindicaram maior agilidade nas ações e respostas da BHTrans.

Outro requerimento solicita à empresa que estude a viabilidade de disponibilizar, à sociedade civil, a realização de visitas monitoradas ao Centro de Operações da Prefeitura de Belo Horizonte (COP-BH), localizado dentro de sua sede, no Bairro Buritis. Atuando na centralização e integração de informações da BHTrans, Guarda Municipal, Fiscalização, SAMU, SLU, Defesa Civil, Polícia Militar e Civil de Minas Gerais, Copasa, Cemig e Gasmig, entre outras instituições, além da prevenção de crises urbanas e gerenciamento de eventos de grande impacto, o COP (foto) foi muito elogiado pelos vereadores, para quem a estrutura e o funcionamento “de primeiro mundo” do equipamento merecem ser conhecidos e valorizados pela população da cidade.

Acessibilidade
Também recebeu aprovação, com data e hora a serem definidas posteriormente, a realização de audiência conjunta com a Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor para debater a acessibilidade na nova frota de veículos que comporão o sistema de transporte público do município, anunciada pelo Executivo por meio do Decreto nº 16.568. O decreto impõe que os novos ônibus disponham de sistema de ar condicionado e suspensão a ar, mas não faz referência à acessibilidade, considerada precária por usuários. Pelo requerimento, a situação dos táxis acessíveis também deverá ser abordada na reunião.

Assessoria de comunicação com CMBH

Postador Jair Di Gregório

Seja Bem-vindo ao meu blog. Deixe abaixo os seus comentários. Obrigado por sua visita e volte sempre!
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta