» » » Jogo “Baleia Azul” aproveita a desestruturação familiar


Nos últimos dias a mídia alerta a população sobre de mortes de adolescentes e jovens estar associadas ao mortal jogo “Baleia Azul”. No game, participantes são induzidos por um “mentor” a cumprir 50 tarefas, uma por dia, até o derradeiro desafio: tirar a própria vida. Ele pode ter matado 130 jovens na Rússia, onde surgiu.

Entre as tarefas que os jogadores são desafiados a cumprir, podemos citar, subir no telhado mais alto encontrado, ainda ir para uma ponte e se sentar na beirada, escutar músicas depressivas, mutilar partes do corpo, ir a uma estrada de ferro de madrugada, receber e aceitar uma data para sua morte e cumprir essa missão. 

Há muitos anos testemunhamos surgimentos de vários jogos semelhantes. Esses jogos são baseados em três premissas: desestruturação familiar, transtornos psicológicos e estilo de vida acelerado e virtual.

A psicanalista e pedagoga Maria Íris Mendes, membro da Associação Mineira de Psicanálise, endossa o discurso de que o distanciamento entre pais e filhos pode estar contribuindo para a formação de jovens desestruturados emocionalmente. Deixando-o à mercê de jogos mortais como o Baleia azul.

Há uma clara terceirização da criação dos filhos para as escolas e as babás. Vivemos uma cultura de extremo consumo. Há muita tecnologia disponível para jovens sem estrutura alguma. Eles estão despreparados e quem tem responsabilidade direta é quem os está criando.

Há um sinal de alerta no ar, os dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) revelam que, de 2010 a 2016, o número de pessoas entre 15 e 19 anos que tentaram se matar no Estado cresceu 15 vezes.

O jogo Baleia azul virou um caso de polícia em três estados brasileiros, Mato Grosso, Minas Gerais e Rio de Janeiro. No nosso estado, a polícia investiga o caso de um jovem de 19 anos, encontrado morto no último dia 12, na cidade de Pará de Minas. Em outro caso recente, um adolescente de 16 anos, encontrado morto na madrugada de domingo, na casa de sua família, no bairro Ribeiro de Abreu, na região Nordeste de Belo Horizonte, pode ser uma nova vítima do desafio da "Baleia Azul". Segundo informações preliminares, os mentores do jogo adquirem o endereço e dados dos familiares do jogador para ameaçá-los caso decidam abandonar o jogo.

Ainda que a polícia tenha o dever de investigar os crimes praticados pelos autores, é indiscutível que a causa é a desestruturação da família. A família é célula máter da sociedade. Por isso, meu mandato é dedicado a ela.

Pais, cuidado, se vocês abandonarem seus filhos, as drogas, a perda de valores religiosos e éticos e a Baleia azul irão adotá-los.

Jair Di Gregório – Vereador BH

Defendendo a família

Postador Leonardo Moreira

Seja Bem-vindo ao meu blog. Deixe abaixo os seus comentários. Obrigado por sua visita e volte sempre!
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta