Jair Di Gregório, nome artístico de Jair Gregório de Souza, nasceu em 22 de fevereiro de 1964 em Peabirú, cidade ao norte do estado do Paraná. Filho de família humilde, nasceu na fazenda Santa Rita, onde seus pais se emigraram em 1960, vindos de Minas Gerais. 

Jovem mudou-se para Belo Horizonte. Sonhava em ganhar dinheiro e buscar sua família para lhes dar uma vida melhor. Por isso, foi catador de papel, alumínio e cobre, vendedor de canecos que fazia com latas de óleo, cobrador de ônibus, servente de pedreiro, auxiliar de serralheiro, entregador de verduras, auxiliar de pintura, vendedor do carnê Baú da felicidade, auxiliar de escritório, ajudante de mecânico e outros serviços, dos quais tirava seu sustento. Morou com seu avó João Gregório e seus tios nos fundos da Igreja Batista do bairro Planalto.

Jair Di Gregório (4º da esq. para direita) e irmãos


Carreira artística
Após conhecer e fazer amizade com os cantores José Tostes e Feliciano Amaral, decidiu seguir o caminho deles. Gravou o primeiro LP intitulado “Maior Amor”, depois vieram outros discos, era o  início de uma carreira proposta por Deus à sua vida. Depois, por influencias negativas, resolveu partir para o mundo com a ilusão do sucesso.

Começava então, a carreira artística com seu tio José Gonçalves, formando a dupla Jair e Jairo. Fazendo shows na mesma época que surgiram outras duplas hoje famosas: João Paulo e Daniel, Leandro e Leonardo, Zezé de Camargo e Luciano. 
Jair e Jairo assinaram o seu primeiro contrato com a gravadora RGE (a maior gravadora da época pertencente ao grupo GLOBO). Daí em diante, várias oportunidades foram surgindo, fizeram muitas viagens e shows. Jair estava consolidando seu maior sonho: ser um grande cantor. Apresentaram-se inúmeras vezes nos programas de sucesso da televisão e rádio, como o Clube do Bolinha, Paradão Sertanejo, rádio Globo. Mas, aos poucos descobriu as farsas e podridões do meio artístico, uma fábrica de ilusões, um cemitério de almas. E foi enganado por empresários que na verdade eram aproveitadores e oportunistas.

 

Encontro com Deus

À porta da fama embora com a alma angustiada, passou a refletir se tudo valeria a pena. Não acreditava mais em crentes, igreja, pregações, por causa das decepções e experiências traumáticas vividas. Mas ele tinha medo de morrer perdido e afastado de Deus, passavam os dias e ficava cada vez mais aflito e preocupado com o destino de sua alma. Como conhecia a Palavra e sabia que não seria considerado inocente, tinha constante diálogo com o Senhor começou a questionar quais seriam seus propósitos para sua vida e que só acreditaria somente se Deus o dissesse.

Tudo começou a mudar numa viagem a trabalho pelo interior de Minas Gerais, na cidade de Carandaí-MG, quando sentiu-se oprimido por Satanás. Estando sozinho em um quarto de hotel, sentiu medo por causa da opressão maligna e começou a chorar. No momento, foi apoderado de uma sensação de ingratidão para com Deus e a culpa pelos pecados. Começou a lembrar-se das várias vezes em que foi livrado da morte e preservado pela misericórdia divina. Ao mesmo tempo que sentiu a presença de Deus, foi sufocado pela força maligna que o oprimia. Levantou as mãos e pedi a Deus um sinal da Sua Presença. Primeiro sentiu as mãos grandes e pesadas, não aguentando mantê-las ao alto; depois um calafrio e por fim sentiu o corpo flutuar sobre a cama. Naquele momento, Jesus havia retirado todo o fardo pesado do pecado e os grilhões que o acorrentavam foram quebrados e a liberdade ele encontrou.
Jair Di Gregório, Pr. Anselmo Silvestre e Pr. José Wellington (CGADB)

Logo após o companheiro de viagem Edson Pimenta (hoje pastor no interior de São Paulo) chegar ao quarto, Jair disse-lhe que havia sido visitado pelo Senhor e seu problema espiritual foi resolvido. Depois declarou: “A partir de hoje não canto mais para o mundo, mas para a Cristo, para o louvor de Sua glória”.

No dia seguinte, no café da manhã, os companheiros de trabalho ficaram assustados ao contar-lhes sobre o acontecido e retornaram à capital. Como já era um novo homem por dentro, providenciou a mudança da aparência, cortou os longos cabelos. Era início de sua caminhada de fé, passou a acertar todas as pendência com Deus e com o próximo. Por onde passava as pessoas queriam saber o que tinha acontecido com ele e a razão de tanta transformação.
Faltava a decisão de que igreja deveria congregar? Sua mãe era da Igreja Quadrangular e ele considerava a Assembleia de Deus rigorosa nos costumes. Todavia, orou a Deus e sentiu a direção divina que o direcionava à “Assembleia de Deus”. Facilitou o fato de ter sido recebido de braços abertos na igreja em Venda Nova pelo pastor Paulo Soares e sua esposa, irmã Tereza. E por já conhecer os pastores presidentes Anselmo Silvestre e Sebastião Evangelista, aos quais tanto estima e admira. Além da amizade dos pastores e obreiros da Assembleia que motivaram a decisão.

Hoje Jair vive feliz com a esposa Patrícia e os filhos Fernando, Larissa, Luana e Jair Júnior; servindo a Deus e ao próximo, seja como amigo, irmão, missionário, empresário e vereador de Belo Horizonte.
Jair Di Gregório e Pr. Presidente Anselmo Silvestre
Negócios 
Após essa experiência com Deus, Jair tornou-se fiel depositário de Deus, e o Senhor o abençoou como empresário, lhe deu uma escola infantil, uma gravadora e a ótica Maranata, empresas que administra para o verdadeiro dono: Jesus.

Política
Eleito vereador na cidade de Belo Horizonte, líder de bancada pelo Partido Progressista (PP). Inicia seu mandato em 2017 defendendo políticas públicas para a família e os direitos das pessoas com necessidades especiais. Jair Di Gregório afirma, "a família é a base da sociedade, defendendo a família, estou defendendo as políticas públicas: saúde, educação, segurança, moradia, saneamento básico e a mobilidade urbana".




Retirado do livro "De escravo a filho do Rei" de Jair di Gregório por Leonardo Silveira